“Confluências Quilombolas Contra a Colonização” #01

com
Mestre Nêgo Bispo | Antônio Bispo dos Santos
Quilombo Saco-Curtume, Piauí

Mestre Naldim | Arnaldo de Lima
Quilombo Custaneira, Piauí

Inverno de 2017

Nessa primeira aula do módulo, acompanhamos o encontro entre esses dois mestres quilombolas, Mestre Naldim, conhecedor das danças da Lezeira e de São Gonçalo, cantor de Incelenças, Benditos e dos cantos da Jurema, e Mestre Nêgo Bispo, ativista político e militante de grande expressão no movimento social quilombola e nos movimentos de luta pela terra, membro da Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Piauí (CECOQ/PI) e da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ).

A disciplina discute as diferentes formas de “criação de mundos” e as relações étnico-raciais a partir da apresentação dos quilombos e dos seus modos e significações, tratando-os por meio de suas conexões com os processos de colonização e contra-colonização vividos pelos povos “afropindorâmicos” – nome com que Nêgo Bispo se refere às populações tradicionais contemporâneas, enfatizando sua agência contra-colonizadora.

Foram descritos e discutidos os mecanismos de produção da vida “monoteísta”, “sintética”, “monocultora”, não raro genocida, pelo capitalismo desenvolvimentista, em contraposição à “biointeração”, ao “politeísmo”, aos “saberes orgânicos” criados pelos povos contra-colonizadores.

São igualmente destacadas as lutas, as rebeliões e outras formas de resistência entre negros e indígenas territorializados em diferentes regiões do Brasil, e cujas criações contra-colonizadoras contrapõem-se ao senso comum sobre a mestiçagem e à suposta democracia racial brasileira, chamando a atenção para as singularidades de outras matrizes civilizacionais que não aquelas implicadas na tradição judaico-cristã.

Disciplina oferecida em parceria com o Programa de Formação Transversal em Relações Étnico-raciais: história da África e cultura afro-brasileira.

índice:
00:00 – início
00:24 – Mestre Naldim – Samba de Cumbuca
03:00 – Mestre Nêgo Bispo – O que faz uma pessoa ser chamada de Mestra
06:23 – “Seu Minga me disse que o bom nêgo tem que ter tartarinado” – Os Batuques e os Sambas de Cumbuca
11:21 – “Quem fica dizendo que nós perdemos é quem perdeu”
14:37 – “Democracia rima com Polícia” – As perversidades do Estado Democrático e a Contra-Colonização
27:01 – Resolução de conflitos não pela lógica da moral mas da organicidade
31:01 – Mestre Naldim – Cantigas

Veja também o retrato que realizamos com Mestre Naldim:

professor parceiro
Faculdade de Educação
Edgar Barbosa

Estagiária docente
Fernanda de Oliveira

câmera
João Carvalho

som direto
Isadora Farjado

edição
Luís Oliveira

coordenação audiovisual
Pedro Aspahan

coordenação geral do programa de formação transversal em saberes tradicionais da ufmg
César Guimarães

comitê gestor
arquitetura
Renata Marquez

enfermagem
Lívia de Souza Pancrácio de Errico

engenharia
Marcos Bortolos

fafich
André Brasil
Luciana Oliveira

realização
Prograd
Pró-Reitoria de Graduação
Departamento de Comunicação Social

www.saberestradicionais.org

Categories: videoaulas